terça-feira, 29 de setembro de 2009

O Bem e o Mal

O BEM E O MAL

Por mais inacreditável que pareça, a pessoa humana representa o mais perfeito sentido do Bem e do Mal. Isto constitui uma verdade indiscutível entre os mais evoluídos seres da Natureza, que são os Espíritos de Deus, já possuidores de luz espiritual que os torna freqüentemente mensageiros divinos aos mundos em evolução.
O Bem e o Mal nasceram juntos, cresceram e vivem juntos, disputando-se mutuamente a primazia no poder junto da pessoa humana. O que faz distinguir o grau evolutivo da pessoa humana, é precisamente a sua maior ascendência às influências sugeridas pelo Bem, e às vibrações projetadas pelo Mal. À medida em que o ser humano consegue resistir às sugestões do Mal, recusando-se a pôr em prática essas sugestões, mais se identifica com o Bem e se afasta do Mal. São duas forças essas que se projetam igualmente sobre a pessoa humana para dominar-lhe os pensamentos e as ações; e não fora a consciência que existe em cada uma dessas pessoas, registrando, apurando e regulando as ações humanas, não haveria por certo evolução nem progresso para o Espírito, que é a única coisa que conta ao fim da existência física de cada homem ou mulher na Terra.
A consciência age como um verdadeiro juiz no íntimo de cada ser humano, não influindo contudo em suas deliberações, que lhe são inteiramente livres. Quem aceita e põe ou não em prática as sugestões do Bem ou do Mal é somente o Espírito, a centelha divina que existe no homem como na mulher, regulando-se ou apoiando-se nos julgados de sua consciência, que é quem lhe diz se tal ato é bom ou mau. E como pode a consciência humana apontar ao Espírito como bom ou mau um determinado ato? De uma maneira muito simples e, portanto, ao alcance de todas as inteligências. Quando o homem ou a mulher se dispuserem a praticar determinado ato, atitude ou ação, raciocinem da seguinte maneira, para ficarem sabendo se é bom ou mau: quando verificarem que no ato, atitude ou ação em vista, existe um princípio de caridade ou amor para com o próximo a quem esse ato, atitude ou ação se dirige, podem praticá-lo sem receio porque é bom, e seu Espírito será por ele beneficiado. Quando, pelo contrário, a consciência vos disser que semelhante ato, atitude ou ação, em vez de caridade, representará uma violência para alguém, então modificai vossa deliberação porque ides praticar um ato mau que, além de sobrecarregar vossa consciência com a violência decorrente, tereis de pagar pelas conseqüências, e o fareis no mesmo grau em que tiverdes molestado ao vosso próximo.
Como toda ação provoca uma reação igual e contrária, tudo aconselha a evitar a violência, seja em que sentido for, pelas conseqüências inevitáveis que seríeis forçados a sofrer.
Ora bem. Isto posto, examinaremos em seguida por que existem ao mesmo tempo cursando a escola terrena homens — Espíritos — bons e homens maus. A razão é muito fácil de apresentar. Homens que vêm reencarnando há milênios, e portanto há milênios cursando esta grande escola evolutiva que é a Terra, e que, ao fim de inúmeras reencarnações, já puderam formar um conceito seguro, correto e decidido acerca do Bem e do Mal, e assim firmaram uma perfeita consciência do que realmente lhes convém para alcançarem mais rapidamente a luz espiritual, estes homens criaram já uma espécie de couraça para resistir às sugestões do Mal, e somente praticam atos de que possa resultar uma velinha a mais para o engrandecimento de sua luminosidade. A homens deste tipo nenhuma vibração ou sugestão tentará jamais a afastarem-se da rota que se traçaram, que é a da prática intransigente do Bem, da Caridade e do Amor ao próximo.
Provavelmente ao término da presente encarnação, os homens deste tipo irão viver em planos compatíveis com a sua evolução e não mais reencarnarão, porque já alcançaram a verdadeira felicidade. Quanto àqueles seres humanos que facilmente se deixam empolgar pela prática de ações menos dignas, aqueles que pretendem enxergar apenas a satisfação de interesses diversos, ou de diversas categorias, sem se preocuparem com o mal que possam levar aos seus semelhantes, até à violência máxima de lhes interromperem o fio da vida terrena, esses, irmãos meus, que Deus deles se compadeça porque terão de resgatar a dívida, a ofensa, a violência ou o que outro nome tenha, até ao último centavo.
A consciência dos seres humanos que ainda procedem desta maneira assemelha-se muito a um amontoado de terra, barro, argila e carvão, onde apenas pequenos lampejos perpassam, como resultado de ações de algum modo apreciáveis que foram por ela registradas.
Perguntar-me-eis, porventura, o que sucede às vítimas de seres violentos, de fraca consciência, como os acima descritos. E eu com satisfação responderei o seguinte: alguns dos que tiverem sido vítimas das violências descritas, ou de outras, ou terão resgatado uma dívida por inteiro ou parte dela, contraída no passado, e assim se aliviaram desse fardo, ou, no caso de serem vítimas inocentes, o que é raro, terão alcançado um degrau a mais na escala evolutiva, em virtude da violência sofrida.
A vítima inocente, embora muito rara, também existe; e a maior de todas foi sem dúvida Nosso Senhor Jesus Cristo, que, animado dos melhores propósitos em relação aos homens da Terra, teve de sucumbir ao poder do orgulho e das ambições humanas, inconformadas com a sua pregação do amai-vos uns aos outros, porque somente o amor constrói para a eternidade.
Esta foi a maior de todas as vítimas imoladas até agora na Terra. Foi a vítima da incompreensão e do ódio, o maior dos inimigos do coração humano. Seus algozes de há dois mil anos, assim como os que persistem em hostilizar sua ascendência incontrastável sobre todas as criaturas viventes na Terra, já resgataram ou continuam a resgatar a sua falta.
Que Deus vos esclareça a todos, meus queridos irmãos, para que jamais vos torneis algozes de vossos irmãos, é o que sinceramente vos deseja este vosso dedicado — Irmão Tomé.



Todos os direitos da presente mensagem são reservados para Editora e Distribuidora 33 conforme lei vigente. Para qualquer tipo de impressão ou publicação é necessário pedir por escrito à Editora 33. A presente mensagem é livre para copiar e distribuir entre amigos e grupos de estudo, se gostou, indique para familiares e amigos. Pelo auxilio na divulgação desde já agradeço de coração.
Visite nosso site: www.editora33.com.br ou www.novaordemdejesus.com.br
Desejo a todos, muita luz, paz e amor.
Darci Dickel

Um comentário:

Adelita disse...

estou me sentindo assim como chegar em casa,depois de conhecer esas mensagens quero fazer pate da nova ordem de Jesus quero participar e praticar

Faça contato com a Nova Ordem de Jesus

Rua Ludwig Wagner, nº 75 - Bairro Centro
Cep 95780-000 - Montenegro - RS - Brasil
novaordemdejesus@novaordemdejesus

Delegado da Ordem: Darci Dickel
(51) 9739-9884 - darcidickel@novaordemdejesus.com.br